quinta-feira, dezembro 07, 2006

O casamento ("E viveram felizes para sempre...")

Hoje em dia dou graças a Deus o facto de ter de andar de autocarro.
É lógico que muita gente pensa como eu, mas nem toda a gente tem os privilégios que eu possuo.
O factor de apanhar o autocarro em frente a um cemitério pode significar para muita gente algo mórbido e sem graça, mas para mim não poderia existir algo mais expectacular. Tudo se passa naquela paragem. Tudo se ouve. Desde assédios sexuais ao mais simples dos diálogos relativos aos horários das viaturas de transporte público.
O que hoje ouvi é algo lindo de partilhar com toda a gente.
Chegado à paragem deparei-me com duas senhoras (uma na casa dos 70 e outra na casa dos 50) que pela conversa mal se conheciam.... no início!!
Bem, a senhora com cerca de meio século de vida começou por lamentar o facto do seu pai ter morrido da forma que morreu (foi atropelado por uma bicicleta).
No seguimento da conversa, o assunto abordado foi o casamento e o facto de cada vez acontecerem mais divórcios (assunto lançado pela velha de 70 anos) no seio da "juventude de hoje".
"Qualquer problema vira conflito.. qualquer problema dá barraco.. qualquer barraco dá divórcio!!", dizia a velha de 70.
"Pois...", remata a meio século.
"Eu estou casa à 30 anos e digo-lhe uma coisa minha senhora, muita porradinha levei... não sou viúva nem disvorciada, mas sou muito feliz apesar de tudo e tenho 2 filhos lindos que Deus me deu que apesar dos problemas estão bem vivos!", completa a meio século.

Ora, isto é um excerto de um diálogo que durou uns loucos 5 minutos.
Acho que estas frases bastam para vos mostrar o teor expectacular desta conversa.
Como tal, e como as conclusões são essenciais para a captação e compreensão do assunto abordado apresento-vos as minhas conclusões:

1. Morrer atropelado por uma bicleta. Ok! Até pode acontecer.. mas acho triste, lamentável e um um bocado voltado para o gay morrer desta maneira. O homem chegou ao outro mundo e imaginem a cara dele para o S.Pedro: "Ah e tal.. pois, parece que aquele puto de 5 anos que vinha a conduzir a sua bicicleta pelo passeio fora é um mau menino. Ele matou-me! Devia ir para o Inferno certo São Pedro?! É que ele deu-me assim com o volante na zona dos rins.. até doeu um bocadinho, chiça! O que vale é que morri porque já não aguentava com as dores e depois ia ficar ali com uma pisadura enorme!!" (se eu fosse o S. Pedro, já tinha criado o departamento para o apoio ao espírito morto de forma gay. Já basta de gays aqui na vida terrena!).

2. "Eu estou casa à 30 anos e digo-lhe uma coisa minha senhora, muita porradinha levei". Ok. Dizem que o amor é lindo. O gajo devia-lhe (ou deve) bater de maneira caridosa. Ou será no sexo?! (prefiro nem imaginar a cinquentona a levar nele...)

3. "Não sou viúva nem disvorciada". Aqui cria-se um novo estado civil, o "disvorciado". É bonito de se ver que o povo gosta de participar na atribuição das classes civis.

4. "Tenho 2 filhos lindos que deus me deu que apesar dos problemas estão bem vivos!". Com os problemas de wrestling entre os pais, os putos meteram-se na droga. Neste momento os dentes são pretos, os braços parecem um bocado de cortiça completamente picotada pelos pionés e a cara mais chupada que o cupa chupa que a Diana Chaves anda a chupar à meses nas estações de metro.


Por fim, gostaria de dar um conselho.
Se o casamento fosse como o wrestling era altamente!
Era só à 6ª feira das 23:00 às 00:00 e Domingo das 19:00 às 20:00!! (Sim, não estou a contar com as repetições porque não vale a pena).
Outra coisa bela, é que neste período de tempo (activo) o casamento seria pura porrada e encenação.

Se o casamento for assim... eu termino este texto com uma mensagem para a minha namorada...
"Queres casar comigo!?"

3 comentários:

ZENUNO!!! disse...

isto foi uma maneira meia "disfarçada" pra pedires a tua moça em casamento???

Anónimo disse...

Realmente é incrível a forma como os mais velhos criticam a "juventude de hoje".

Posso dar razão a muita crítica que ouço, mas dar razão a uma mulher que critica a juventude pois esta se divorcia quando o marido lhe bate....Essa para mim é demais!

O mal das pessoas actualmente, é acharem que o facto de se aguentar e esconder o que se passa consigo e com os seus familiares, faz com que nada dessas coisas "más" sejam verdade.

Não é a "meter a cabeça debaixo da areia" que as coisas deixam de existir.

Além de que gosto particularmente da expressão "juventude de hoje", será que a "juventude de ontem" era assim tão melhor? Deve ser por isso que a "de hoje" é má, porque foi educada pela "de ontem" que educou muito bem, pois antigamente tudo era diferente, e era tudo tão bom...

Quanto ao facto de dizeres que é bom andar de autocarro, eu que não ando nem acho muita piada, fizeste com que repensasse esse meu pensamento...
Talvez amanhã ande de autocarro por tua causa e a minha vida mude para muito melhor :D Pelo menos espero divertir-me!!! :)

Ana disse...

O comentário anterior é meu...só que me esqueci de assinar.